Você sabe o que é escoliose e como identificá-la?

A escoliose que é conhecida de forma geral como um desvio lateral da coluna podendo ser estruturada já com alterações na conformação vertebral ou seja como se houvesse uma “rotação” da vértebra na sua funcionalidade e não estruturada de fundo mais postural por exemplo, é mais comum do que se imagina. É visível inclusive na adaptação postural quando o grau de desvio lateral da coluna passa de 10 graus. Esses desvios laterais podem ter um formato imitando um “C” ou um “S” que poderá ser perceptível em uma avaliação funcional fisioterapêutica ou mediante um raio X.

Porém existem algumas possibilidades da causa dessa alteração postural, e também formas de descobrir o seu diagnóstico e tratar.

Quanto as causas, diagnóstico e tratamento:

– Origem Idiopática e Secundária, é do tipo que não se sabe ao certo de onde vem e também secundária é aquela decorrente de outras situações físicas ou patologias do indivíduo,  o que no decorrer da experiência clínica dentro da Fisioterapia e na Visão da Terapia Manual observou-se que disfunções em cadeias lesionais seja de ordem descendente como problemas da articulação temporomandibular, um torcicolo congênito, ou ainda até uma plagio cefalia e cadeia ascendente como um entorse em tornozelo, uma queda importante, cair sentado podem trazer alterações posturais e adaptações do corpo e como consequência uma possível alteração no funcionamento da coluna vertebral dentre essas alterações a escoliose, o que quando ocorrido na infância algumas das situações citadas esse desvio lateral da coluna pode vir aumentando no decorrer da vida quando não diagnosticado e tratado precocemente. O diagnóstico aqui se dá por observação da postura, e a atenção as alterações físicas e ou patológicas que antecedem a possibilidade da escoliose, quando se trata de questões de infância a observação do pediatra ou ortopedista pediatra ajuda muito, e não é hábito no nosso país mas a consulta ao Fisioterapeuta na infância mesmo que de caráter precoce seria uma forma de avaliação preventiva e ao mesmo tempo de ter uma noção prognóstica da escoliose. Dessa forma o tratamento se dá de forma conservadora e é aí que entra a fisioterapia nas suas diversas abordagens para tratar seja no adulto ou na criança, como através da própria fisioterapia pediátrica que pode ser realizada desde bebê, no adulto as terapias manuais, reeducação postural global (RPG), pilates ou exercícios funcionais ensinados e executados juntamente ao fisioterapeuta.

– Escoliose Neuromuscular, que é decorrente das patologias neurológicas como Paralisia Cerebral, Distrofias Musculares, Traumas Raquimedulares, o que de certa forma seria uma Escoliose Secundária também. Como características geralmente na forma de “C” e bem rígidas as curvaturas laterais. Diagnóstico por observação e investigação médica e também fisioterapêutica, quanto ao tratamento geralmente conservador por meio da própria fisioterapia na atuação neurológica que entrará várias abordagens posturais em conjunto e podendo ter até uma abordagem cirúrgica em casos extremos que o ângulo passe de 45 graus e comece interferir no bem estar e função do paciente.

– Escoliose Congênita, ela está presente desde o nascimento, que pode ter ocorrido por má formação óssea, fusão de algumas vértebras, posicionamento intrauterino entre outros motivos, diagnóstico por meio de avaliação do pediatra e ortopedista pediatra, e tratamento na maioria das vezes se dá pela fisioterapia pediátrica nos anos iniciais, e a progressão desses pacientes geralmente são muito positivas e evita agravamentos futuros.

As escolioses podem aparecer em qualquer região da coluna, podendo ocorrer na região cervical, torácica ou lombar.

Como se pode observar na Escoliose a Fisioterapia é a base dos tratamentos dentro das suas diversas áreas de atuação como a ortopedia, pediatria, neurologia, terapia manual, e diversas técnicas como as mais famosas sendo o RPG e o Pilates.

Vale lembrar que hábitos posturais viciados e errôneos podem piorar uma escoliose pré existente ou ainda começar esse processo do desvio lateral da coluna, e outros fatores que parecem não serem fatores que possam influenciar ou agravar uma escoliose devem ser levado em consideração, que seriam fatores do ambiente como familiar, profissional, escolar, pois a reação ao ambiente de cada indivíduo acaba sendo modulada pelo Sistema Nervosos Autônomo  (SNA), um sistema nervoso que pode-se dizer que seria um programa de defesa nosso, e esse SNA pode aumentar o tônus muscular ou diminuir conforme cada situação ou circunstância além de outras reações nos diversos sistemas do corpo, e fará uma interferência de forma secundária nas questões posturais e no corpo de modo geral, ou seja fatores Biopsicosociais devem ser observados e levado em consideração até na postura e suas alterações. Nesse caso outros profissionais da saúde poderão tratar em conjunto com a fisioterapia.

Por Fábio Ribeiro do Nascimento

Crefito 10 49581 F

Começar
Dúvidas sobre o Vestibular?
Olá! Clique em "Começar" e você será redirecionado para um de nossos atendentes!